Notícias

Fundo de Conservação do SeaWorld se junta aos esforços para salvar os botos da Amazônia

Escrito por SeaWorld b2c

01 DEZ 2023 - 16H39 (Atualizada em 01 DEZ 2023 - 16H46)

Em decorrência do calor extremo na floresta amazônica brasileira, o Fundo de Conservação do SeaWorld concedeu uma doação emergencial ao Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá (IDSM) para apoiar o resgate de botos amazônicos e diminuir os impactos da situação de emergência no Lago Tefé e arredores. Os botos são encontrados apenas nos rios da América do Sul, além de serem uma das poucas espécies de golfinhos de água doce que restam no mundo. Parte da doação ao IDSM será destinada aos esforços de recuperação de carcaças de botos com a finalidade de analisar amostras biológicas para então determinar a causa das mortes. Além disso, o IDSM implementará um plano abrangente para resgatar, tratar e transportar animais vivos para um habitat natural mais adequado.

Desde setembro, os botos amazônicos têm passado por um Evento de Mortalidade Incomum (UME, sigla em inglês). Até o momento, foram relatadas 154 mortes, incluindo botos-cor-de-rosa e tucuxis.

“O Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá é um verdadeiro líder nos esforços para prevenir a extinção desta espécie rara e ameaçada, e o nosso fundo tem o privilégio de desempenhar o papel de ajudá-los nessa importante missão”, disse o Dr. Chris Dold, Presidente do Fundo de Conservação do SeaWorld e Diretor Zoológico do SeaWorld.

Centenas de botos estão em risco devido ao clima extremo na Amazônia

O IDSM é um grupo de pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação do Brasil, e é reconhecido internacionalmente como líder em programas de pesquisa, gestão de recursos naturais e desenvolvimento social na região do Médio Solimões, no Estado do Amazonas.

A Operação Emergência Botos Tefé, criada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) com apoio técnico do IDSM, monitora os botos amazônicos. A operação está dividida em três setores distintos. O setor de Monitoramento de Animais Vivos rastreia grupos de botos e tucuxis ao longo do Lago Tefé. Ao encontrar um animal com sinais de anormalidade, a equipe realiza o resgate e o encaminha a um centro de reabilitação flutuante. O setor de Operação de Monitoramento de Animais Mortos tem como objetivo identificar carcaças na região, realizar necropsias para coleta de amostras e encaminhá-las para análises laboratoriais. Já o setor de Operação Ambiental atua no monitoramento da água, peixes e fitoplâncton, organismos compostos por microalgas, além de bactérias fotossintéticas.

“Sem o apoio do Fundo de Conservação do SeaWorld, não teríamos a capacidade de conduzir os esforços de pesquisa e resgate que são cruciais para proteger os botos amazônicos”, disse a Dra. Miriam Marmontel, pesquisadora e oceanógrafa do Instituto Mamirauá. “Esta doação fará uma enorme diferença em nosso trabalho e não poderíamos estar mais gratos ao SeaWorld por ter o mesmo amor pelo cuidado e preservação de espécies que nós temos.”

Desde o início da crise, 154 mortes de botos amazônicos foram registradas, sendo 131 botos cor-de-rosa e 23 tucuxis. Desse total, 122 animais passaram por necropsia e amostras de tecidos e órgãos foram enviadas para laboratórios especializados em todo o Brasil. Dezessete botos foram avaliados com análises histológicas e, até o momento, não há indicação de agente infeccioso como causa primária de morte. O diagnóstico molecular de 18 botos também teve resultado negativo para agentes infecciosos, como vírus e bactérias, associados a mortes em massa. De todas as variáveis analisadas até o momento por especialistas, o que tem apresentado alterações discrepantes é a temperatura da água. A temperatura do Lago Tefé atingiu números recordes, variando de 29°C a 40°C.

O Fundo de Conservação do SeaWorld concedeu mais de R$400 mil para apoiar o IDSM em uma série de esforços, como viagens para coleta de amostras, avaliações de saúde, controle de qualidade da água e recursos essenciais, incluindo barracas, piscinas, ferramentas e suprimentos médicos. A doação cobrirá também despesas relacionadas ao gerenciamento de amostras, análises laboratoriais, monitoramento ambiental e custos de transporte de animais.

Desde a sua criação em 2003, o Fundo de Conservação do SeaWorld forneceu mais de U$20 milhões em doações além de apoio científico a 1.391 diferentes projetos de conservação de animais e ecossistemas em todos os continentes.

O Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá foi criado em abril de 1999. É uma Organização Social fomentada e supervisionada pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações do Brasil. Desde o início, o Instituto Mamirauá desenvolve suas atividades por meio de programas de pesquisa, gestão de recursos naturais e desenvolvimento social, principalmente na região do Médio Solimões, estado do Amazonas. Os objetivos do Instituto Mamirauá incluem a aplicação de ciência, tecnologia e inovação na adoção de estratégias e políticas públicas para a conservação e uso sustentável da biodiversidade na Amazônia. Abrangem também a construção e consolidação de modelos de desenvolvimento econômico e social de pequenas comunidades ribeirinhas por meio do desenvolvimento de tecnologias social e ambientalmente adequadas.

Seja o primeiro a comentar

Os comentários e avaliações são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site.

0

Boleto

Reportar erro!

Comunique-nos sobre qualquer erro de digitação, língua portuguesa, ou de uma informação equivocada que você possa ter encontrado nesta página:

Por SeaWorld b2c, em Notícias

Obs.: Link e título da página são enviados automaticamente.